e-mail / nick Pass  

roteiro de viagem - peru

23-Out 18:54 Petra |  Locais

Encontrei este relato numa das minhas pesquisas, e por achá-lo bastante interessante, resolvi transcrevê-lo:

"O Perú é um país do tipo “três-em-um”.
A cordilheira dos Andes atravessa o país de norte a sul e forma diversas regiões geográficas, a várias altitudes e com climas diferentes.
Lima, cidade com 8 milhões de habitantes, parece feita de Lego, pois as casas são todas quadradas, sem telhado (porque não chove) e coloridas. Também há muitos edifícios da época dos espanhóis, muito bonitos e bem conservados. Entretanto, a bruma seca que permanentemente paira sobre Lima, não nos deixa vislumbrar tais cores e formas à primeira vista. A cidade é muito movimentada e o trânsito é caótico, principalmente provido pelos milhares de táxis – que não têm taxímetro. Pois, todo o desempregado torna-se taxista em viatura própria. E atenção! O preço da deslocação deve ser negociado antes da viagem.
Ali não deixe de visitar os mercados de artesanato no bonito bairro de Miraflores. Embora consiga comprar os mesmos produtos por metade do preço em cidades no interior do país.

É de visitar Cusco, Qosqo em quechua (língua nativa), que significa “umbigo do mundo” e que foi a capital do império Inca. Factos que tornam seus habitantes muito orgulhosos. Fica a 3.300m de altitude e faz querer mais e mais oxigénio. Depois de uma noite sente-se o sarotche , o mal estar das alturas. Mas para tal existe um remédio santo, o chá de folha de coca que é oferecido em todo o lado.
A cidade é especialmente bonita, limpa, toda castanha e as casas têm telhado.

Machu Picchu – que significa “montanha velha” – é tudo o que dizem de bom!
Entretanto, foi má ideia ir e voltar no mesmo dia.
O complexo arqueológico descoberto em 1911, por baixo de uma densa mata, fica numa região verde e impressiona pela habilidade arquitectónica dos Incas naquele tempo e naquela altitude.
A visita guiada dura aproximadamente 2h30. Mas é insuficiente...
À entrada do complexo existe um restaurante onde se pode apreciar fotos da época em que a cidade foi descoberta. Imperdível!
Na base da montanha, em um povoado chamado Aguas Callientes, existem várias opções de alojamento para se passar a noite.

A gastronomia é rica em batata, milho, feijão e carne. Experimente papas huancaina (batatas com creme de queijo), cebiche (peixe cru cozido em limão) e tchúpe de camaron (sopa de camarão e milho verde). O churrasco de frango dos restaurantes chineses, conhecidos como Chiffa, também vale a pena.
Os mais jovens não devem deixar de experimentar o refrigerante Inca Kola, la bebida nacional del Perú . E os apreciadores de bebidas frescas e com pouco álcool, Pisco Sauer (aguardente nacional feito de uva batido com gelo, açucar e clara de ovo). Sublime!"

Autoria: Nancy Tolentino


Autor

Petra
Mensagens   21
Comentários   159
 
Comentários?
(para fazer comentário faz o login)
Comentários
Petra 24-Out 14:58
roteiro de viagem - peru

Obrigado pelas ideias, Apamix! É sempre bom ter diversos pontos de vista e é para esta troca de informações que por aqui andamos todos

APAMIX 24-Out 14:20
roteiro de viagem - peru

Bem, a minha opinião quanto ao Peru, não coincide com a a Nancy Tolentino. De facto, nem Cusco é limpo, nem Lima é bonita (de facto, foi a cidade mais feia do Mundo que já visitei).
Águas Calientes é imperdível. Mas ir a Machu Pichu pela via alternativa que turista utiliza, ou seja comboio até Aguas Calientes e autocarro até Mahu Pichu é perder a parte mais bonita. A expectacular envolvencia que excede em muito a própria cidade de Machu Pichu, é perder as restantes cidades abandonadas, ex. Sayacmarca, a Cidade Dominante (ou Inacessível), situada num esporão rochoso a 3525 m e que domina todo o vale ou ainda Puyutamarca “Cidade nas Nuvens” (3600m) situada sobre uma esplêndida crista panorâmica donde se avista o gigantesco vale do rio Urubamba 1600 m abaixo dos nossos pés e Aguas Calientes no fundo do vale.
É perder a rota pelo caminho Inca original.
Mas de facto, como já escrevi aqui antes, tem tudo, excepto praias boas.
Mas, Petra, vale a pena. Da América do Sul, tirando o Brasil, Venezuela e Argentina, será um dos que não se deve perder.